Dia Internacional de Quem Faz a Sua Roupa

Moda é assunto de mulher, sim. E não é porque mulheres só se interessam por uma estreita fatia do mundo- viu, certa-livraria-que-só-dá-desconto-para-temas-femininos?

A industria da moda é uma das mais dependentes de mão-de-obra do mundo. Há muito maquinário, mas tem que ter gente lá, pregando zíper, botão, cortando os fiapos que ficam preso nas roupas. E adivinha quem faz esse trabalho?

Acertou quem disse “as mulheres”. Seja nas facções (o nome que se dá, no Brasil, às oficinas têxteis a quem as marcas terceirizam sua produção); nas fábricas da China, Índia, Bangladesh; ou nas fábricas clandestinas que exploram imigrantes bolivianos no Brasil. A nossa roupa barata é feita por mulheres – aliás, já percebeu que o profissional de costura vem, quase sempre, no feminino? Ou você ouve a palavra “costureiro” com a mesma frequencia com que ouve “costureira”?

Não encontrei dados “oficiais”, mas fontes diversas – entre elas, o movimento Fashion Revolution, que trabalha pelo fim do trabalho escravo na moda estima entre 80% a 85% a participação da mão de obra feminina na indústria de moda.

Isso não é ruim em si – se não fosse pelo fato de que as mulheres estão sendo mal-remuneradas para o trabalho, não tem seus direitos trabalhistas garantidos, estão adoecendo e morrendo por isso. As mulheres que fazem as camisetas de R$ 49,90 que compramos nas fast fashions da vida estão ganhando centavos por esse trabalho – vamos pensar nisso antes de comprar a nossa próxima camiseta com estampa de Mulher Maravilha para homenagear as super-mulheres que somos.

Moda é assunto de todos.